//31 de Outubro

31 de Outubro

Cemig lança empresa de soluções em GD, eficiência, cogeração e mobilidade.

De olho na abertura do mercado brasileiro de energia nos próximos anos, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) lançou nesta terça-feira (8) uma nova empresa de soluções e geração solar distribuída. Batizada de Cemig S!M – Soluções Inteligentes em Energia, a subsidiária já nasce com uma carteira de projetos formada por 10 usinas de minigeração distribuída solar fotovoltaica, somando 42 MW de capacidade instalada e que estarão em operação até o final deste ano em diversas cidades mineiras. A meta da empresa é que o portfólio de projetos chegue a 200 MW em operação até o final do ano que vem, com investimentos próprios de R$ 300 milhões. O modelo de viabilização prevê a criação de sociedades de propósito específico para o desenvolvimento desses projetos. As 10 primeiras usinas previstas para 2019 serão implementadas em parceria com a empresa Mori Energia, que terá uma fatia majoritária de 51% de participação – a Cemig S!M terá os 49% restantes nos projetos. Outras empresas da iniciativa privada estão em conversas para novos projetos da nova subsidiária da estatal mineira, que vai abarcar outros segmentos de mercado além da geração distribuída. A companhia vai atuar também com soluções em eficiência energética, gestão de utilidades, armazenamento, cogeração e mobilidade elétrica.

Regiões geladas: a incrível necessidade dos aquecedores

O Brasil é um país tropical, porém, em determinadas regiões, as variações de temperatura alcançam o extremo, como por exemplo, o inverno na região sul do país chega a temperaturas abaixo do 0 graus, enquanto outras regiões do norte e nordeste raramente registram temperaturas inferiores aos 15 graus. A diferença é grande. A primeira dica é manter o ambiente bem quente, muitas pessoas correm para adquirir aquecedores de ambiente e o aquecedor de água que também não pode faltar. O ideal é ter muita cautela ao utilizar um aquecedor de ar, seguir as instruções de uso corretamente. Lareiras também merecem cuidados, e o ambiente precisa ser frequentemente arejado.

No forno, um plano para a eficiência

Governo inicia nova abordagem estratégica para o planejamento de redução de consumo, focando nas especificidades de cada setor.

Se depender de iniciativa liderada pela secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME, o Brasil pode entrar nos próximos anos em uma nova era estratégica para a eficiência energética. Isso porque, sob a coordenação técnica das equipes do Procel, da Eletrobras, e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), desde o começo do ano está sendo estruturada metodologia para a criação do Plano Decenal de Eficiência Energética, nos moldes do consagrado PDE, que acompanha e orienta o mercado e as políticas públicas de expansão da oferta, só que com viés contrário, ou seja, de redução de consumo nos principais setores socioeconômicos. De acordo com o gerente de eficiência energética do Procel, Marcel Siqueira, ainda no segundo semestre será lançado pregão eletrônico para contratar empresa de consultoria, cuja atribuição será assessorar as equipes do governo, fazendo trabalho de campo para levantar dados dos setores principais de consumo (indústria, prédios públicos, edificações, iluminação pública, produtos).